segunda-feira, 14 de novembro de 2011

nos relacionamentos anteriores aprendi..

não é que as pessoas
não nos amem
elas só não amam
como gostaríamos
de ser amadas

leveza
tesão
dedicação
poesia
silêncio
preocupação
ciúme
zelo
liberdade
sonho
verdade

o amor
tem formatos
variados


aprendi que o amor
não é seguro
ou é
como um porto
em alto mar...

aprendi também
que amor acaba
quase sem aviso,
vai perdendo o viço, a cor
e séca,
sem chance de renascimento
um olhar, uma palavra, um silêncio, uma raiva
e lá se foi o amor...
silenciosamente...

que amor
requer bom humor,cuidados,
atenção, paciência
e algumas doses de infância

que amor
tem pesos e medidas
o fato de ser feito de dois
torna as matemáticas
e as químicas
muitíssimo variávies

que amor
nos embeleza
pondo mais cor
e alegria no olhar

que o fim de um amor
pode escurer tudo

então...

é preciso fazer luto
não beijar novas bocas
nem tentar consolo
em outro peito
é preciso
ajustar as contas
com as frustrações e os sonhos
arrumar a casa
dentro e fora
ler, caminhar, ouvir musica
ver a natureza completar ciclos
e
esperar
até
que
de algum jeito imprevisto
o amor venha novamente nos encantar

nos relacionamentos anteriores aprendi
que o amor nos pertence
pode recuar, se esconder, fazer casulo
mas é nosso
sempre volta
refaz nossas asas
e nos leva pra passear...

ps- confundo paixão com amor, há anos, será que preciso aprender a diferença?

Um comentário:

  1. Amiga poeta, se realmente existe diferença entre paixão e amor (e olha que dizem que existe) prefiro a confusão de me embaralhar em ambos e vivê-los como se fossem únicos.
    Amor apaixonado, Paixão amorosa, Paimor, Amorxão, parece que dá junção deles, resulta num encontro de novas potencialidades.
    Beijão.

    ResponderExcluir

Seguidores