quinta-feira, 30 de outubro de 2014

de remendos & empatias...

Cada um de nós foi feito de pedacinhos dispersos, escolhidos ao acaso ou pela necessidade pro remendo... não dá pra desconsiderar o que usamos e o tanto que nos remendamos, pra ser o que somos e como conseguimos chegar até aqui, haja auto-conhecimento e aceitação... e do outro...haja empatia ...

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

nacos e frestas vistos à distancia...

Vi numa entrevista a Martha Medeiros dizer:" a gente se preocupa tanto em ser simpático, quando deveria se preocupar em ser empático, se colocar no lugar do outro."

sim, por que ser o outro, olhar pelo prisma do outro, por um minutinho que seja, muda o vértice, muda a energia, muda tudo...somos tão fragmentados, compostos de tantos pedacinhos, que de repente uma lasca de luz nos cabe perfeitamente, nos interpreta, nos ilumina...nos garante o entendimento.
A mágica de se relacionar só acontece, quando conseguimos sair de nós ...nos enxergar de longe e aceitar que teremos todos, frestas e nacos catados durante o tempo, palavras e silêncios que nos ajudaram na composição, e estes não serão certos ou errados, serão nossos...até o tempo que os quisermos guardar e re-significar...
é preciso se colocar no lugar do outro...é preciso sair de si...
é preciso vez o outra, se afastar do que somos, para vermos o que ainda vale ou não preservar na construção...nacos e frestas à distancia...

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

eu curti..

 
Estrelas Perdidas- Adam Levine

Por favor não veja
Apenas um garoto preso em sonhos e fantasias
Por favor me veja
Tentando alcançar alguém que não consigo ver

Pegue minha mão
Vamos ver onde vamos acordar amanhã
Os melhores planos
Às vezes são apenas uma noite sem compromisso
Vou ser condenado
O cupido está exigindo a sua flecha de volta

Então vamos embebedar com nossas lágrimas

E Deus, diga-nos o motivo
Da juventude ser desperdiçada nos jovens
É temporada de caça
E esse cordeiro está na corrida
Estamos procurando um significado
Será que todos somos estrelas perdidas
Tentando iluminar a escuridão

Quem somos nós
Apenas um amontoado de poeira no meio da galáxia
Ai de mim
Se não formos cuidadosos, se transformará em realidade

Não se atreva
Deixar que nossas melhores memórias te tragam tristeza
Ontem eu vi um leão beijar um veado

Vire a página
Talvez nós acharemos um novo final
Onde estamos dançando em nossas lágrimas

E Deus, diga-nos o motivo
Da juventude ser desperdiçada nos jovens
É temporada de caça
E esse cordeiro está na corrida
Estamos procurando um significado

Achei que tinha te ouvido lá fora chorando
Achei que tinha escutado você chamar meu nome
Achei que tinha te ouvido lá fora chorando
Mas do mesmo jeito

E Deus, diga-nos o motivo
Da juventude ser desperdiçada nos jovens
É temporada de caça
E esse cordeiro está na corrida
Estamos procurando um significado

Será que todos somos estrelas perdidas
Tentando iluminar a escuridão

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

poema preso...



Poema Preso
Viviane Mosè
A maioria das doenças que as pessoas têm são poemas presos.
Abscessos, tumores, nódulos, pedras…
São palavras calcificadas, poemas sem vazão.
Mesmo cravos pretos, espinhas, cabelo encravado, prisão de ventre…
Poderiam um dia ter sido poema, mas não…
Pessoas adoecem da razão, de gostar de palavra presa.
Palavra boa é palavra líquida, escorrendo em estado de lágrima.
Lágrima é dor derretida, dor endurecida é tumor.
Lágrima é raiva derretida, raiva endurecida é tumor.
Lágrima é alegria derretida, alegria endurecida é tumor.
Lágrima é pessoa derretida, pessoa endurecida é tumor.
Tempo endurecido é tumor, tempo derretido é poema.
E você pode arrancar os poemas endurecidos do seu corpo
Com buchas vegetais, óleos medicinais, com a ponta dos dedos, com as unhas.
Você pode arrancar poema com alicate de cutícula, com pente, com uma agulha.
Você pode arrancar poema com pomada de basilicão, com massagem, hidratação.
Mas não use bisturi quase nunca,
Em caso de poemas difíceis use a dança.
A dança é uma forma de amolecer os poemas endurecidos do corpo.
Uma forma de soltá-los das dobras, dos dedos dos pés, das unhas.
São os poemas-corte, os poemas-peito, os poemas-olhos,
Os poemas-sexo, os poemas-cílio…
Atualmente, ando gostando dos pensamentos-chão.
Pensamento-chão é grama e nasce do pé,
É poema de pé no chão,
É poema de gente normal, de gente simples,
Gente de Espírito Santo.
Eu venho de Espírito Santo.
Eu sou do Espírito Santo, eu trago a Vitória do Espírito Santo.
Santo é um espírito capaz de operar milagres sobre si mesmo

Seguidores