sexta-feira, 29 de outubro de 2010

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

uma saudade acendeu aqui...

A Ligia amiga querida do tempo da UFSM e que felizmente permance pertinho, sempre me brinda com textos otimos, e hoje a mandou essa saudade: a lembrança dos ipes amarelos, a vontade de mudar o mundo, as passeatas, a nossa esperança imbatível, a garra e a alegria de viver tudo como possibilidade real, o tempo de experimentar, de ser leve e sem nenhum ranço...Que tempo bom de voltar a relembrar!

Como o título: Amigos voltem no tempo...me traz de volta o gracinha do Canella, que na minha memoria ainda é um menino de olhos brilhantes...

CRÔNICA | MARCELO CANELLAS
Uma esperança no campus
Uns moços e moças me convidaram para falar sobre jornalismo na sexta passada. Não preciso de pretexto para estar em Santa Maria. Mas se o tiver é bom porque essa minha vida andeja me amarra a compromissos distantes. Então estive aí com a desculpa de uma palestra, mas fui mesmo é lamber a placenta de onde saiu esse meu visco de repórter. Voltar ao campus da UFSM é como retornar à casa da infância depois de uma vida e perceber que os cômodos são muito maiores do que a memória de menino supunha. Há sempre o desconforto imprevisto de encontrar uma parede onde não havia. Embora seja a mesma casa, ela agora assume a cara de outros convivas, e o sujeito acaba se sentindo meio intruso.

Voltei ao mesmo auditório, no prédio 17, onde tantas vezes liderei assembleias estudantis como presidente do diretório acadêmico da Comunicação Social. Meti-me em política estudantil do primeiro ao último dia de minha experiência universitária e tenho a mais ferrenha convicção de que esse meu envolvimento com a vida da instituição ajudou a me fazer jornalista. A contestação, o exercício do senso crítico, o repúdio às injustiças e a independência intelectual são pré-condições para o exercício de minha profissão. Havia um ambiente acadêmico onde fervilhavam as contradições da universidade, da cidade, do país. Ainda peguei o fim da ditadura, levei cacetada da Brigada em manifestações públicas e gritei pelas Diretas Já na Rua do Acampamento. Naqueles tempos sombrios foi que virei repórter.

Querer mudar o mundo é o traço mais saudável da juventude. Às vezes me acho meio anacrônico por, já quarentão, persistir no mesmo inconformismo de antanho. Mas não adianta, a índole insubmissa do jornalismo rejeita a cartilha de que eu estaria na idade de ser bombeiro. Nada me irrita mais do que a apatia conformista de um guri. Na minha idade, eu até entenderia. Mas é inaceitável ser bombeiro aos 20 anos. Quando vejo estudantes de jornalismo agindo como cordeiros, olhando o mundo em volta e achando normal, aceitando tudo sem reclamar, sem espernear, sem contestar, antevejo a formação de jornalistas medíocres.

Por isso fiquei tão feliz ao ver a luz do protagonismo nos olhos daquela gurizada que lotava o auditório para me crivar de perguntas, para discordar, para contestar, para se lançar a uma discussão aberta e sem preconceitos. Porque estudante é para isso mesmo: para atazanar o Schirmer, para aporrinhar o Felipe Müller, para defender o ensino público e ser solidário aos pobres. Ver isso na minha universidade me faz acreditar no jornalismo do futuro.

domingo, 24 de outubro de 2010

descubro ainda mais poesia no Zeca Baleiro...

Depois de mais de duas horas de uma conversa deliciosa,intima e sincera com o Zeca Baleiro, na Saraiva hoje, saio com o Cd Trilhas autografado, um abraço gostoso de lembrar e uma vontade imensa de encontrar esse Cd do qual ele foi produtor e musicou poesias de Hilda Hilst, deve ser lindo...pela provinha que acabo de encontrar ...o titulo Ode descontinua e remota para flauta e oboé... Ele é mesmo O Cara e eu não sou fã por acaso...adoro a sensibilidade, a poesia e musicalmente a capacidade de explorar opostos e sempre me tocar...



sábado, 23 de outubro de 2010

pra lembrar de renovar a alma...



ps- não conheço essa marca que assina esse comercial, mas compro integralmente essa ideia de uma revolução de valores, de uma necessidade de reativarmos a alma e todos os sentimentos do bem, sou partidária e agora ativista dessa revolução SIMPLES, BÁSICA e NECESSÁRIA! Tenho o teu apoio?

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

falando de amor...



Ontem a Milene Zardo me fez mexer nos meus guardados pra buscar um poeminha que escrevi apaixonada, assim me fez lembrar que amor bom, tranquiliza...

Terapia

Tua boca combina com a minha nuca
meu olho ri melhor dentro do teu...

terça-feira, 19 de outubro de 2010

A importância de sensibilizar...

Ontem assisti uma palestra bárbara do Márcio Callage, uma delícia, de uma clareza e um foco impressionante. É estimulante ouvir alguém tão novo e tão dedicado a ser, a descobrir, a prestar atenção, falar do que sabe fazer. E falar tão direta e francamente.
Ele é o CARA, gerente de Marketing da Vulcabrás/Azaléia e sócio da igualmente admirável Perestroika, nos deu uma lição básica: SENSIBILIDADE SE EXERCITA!
A gente não pode se afastar da gente, do que nos mobiliza, do que nos toca.
E é preciso buscar todo dia, essa poesia...
Apreciem uma provinha do ultimo projeto que tem a mão do Márcio.

sábado, 16 de outubro de 2010

Presente pro Nei Van Soria !!!!

Presente de aniversário pro NEI...abrir o show do PAUL McCARTNEY!!! Eu apoio integralmente!!!



Mundo Perfeito
Composição: Nei Van Soria

Nunca diga que se arrependeu
Das coisas que já fez na vida
E com tudo que já foi seu
Seja grata por pelo menos um dia

Você está crescendo
Mesmo sem notar
O seu mundo perfeito
Começa a se desmanchar

Pense em tudo como sempre fez
Pode parecer absurdo
Agora já passou, tudo bem
Da próxima vez eu me cuido

Você está crescendo
Mesmo sem notar
O seu mundo perfeito
Começa a se desmanchar

Quando você tinha 16
Fez amor pela primeira vez
E nunca mais acreditou
Em palavras bobas de amor

Você está crescendo
Mesmo sem notar
O seu mundo perfeito
Acaba de se desmanchar

A chuva forte já passou
Agora será mais tranquilo
De repente você sente que mudou
E vê que o mundo é imperfeito

Você está crescendo
Mesmo sem notar
O seu mundo perfeito
Começa a se desenhar

Você está crescendo
Nem consegue notar
Que seu mundo perfeito
Só existe porque você acreditou

Espia lá no Blog a carta aberta ao Paul...

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Ausência...

"Por muito tempo achei que ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
...Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços, que rio e danço e invento exclamações alegres, porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém rouba mais de mim."

Carlos Drummond de Andrade
Um presente do meu querido amigo Vicente que além de um olhar bonito, sempre tem palavras bonitas para compartilhar.

Foto Vic Sampaio

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

meu pai

Meu pai me ensinou a ser ética e humana, a ser irônica e rir e fazer piada até dos meus próprios tropeços, a ser forte, mesmo que para isso precisasse encobrir medo e fragilidade, me deu amor, carinho e certeza de que eu conseguiria andar e voar, e que sempre teria um ninho pra voltar. Ouvi uma frase muito significativa dele há muito tempo atrás: “Com tanta coisa boa pra herdar, tu foi herdar logo meu orgulho!” É essa sabedoria de me auto-reconhecer que eu espero atingir um dia, e claro ter a capacidade amorosa, presente e especial de deixar a minha filha voar e poder sempre contar comigo, como ele me ensinou. Amor é isso!
Hoje faz um ano que meu pai se foi...e eu preciso agradecer a oportunidade de ter sido filha dele, diariamente...

e sinto uma falta sem fim de poder abraçá-lo...

Seguidores