terça-feira, 20 de abril de 2010

poesia-parto

A poesia
É uma espécie
De parto
É preciso despertar o sentimento
Disforme de dentro
Tratá-lo com o cuidado
Que se dedica a um filho
Dar abrigo, uma roupagem nova
O sentimento, dentro, está despido
Parece e sempre é
mais frio lá fora
Combinamos as peças, as cores
Caprichamos no penteado
abrimos a janela
E vai o sentimento
Vestido de palavras
Personalizado e livre
vira voador
e ganha o céu...
por isso lá de longe
contraluz
nem parece mais nos pertencer
tão maior que seu casulo...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores