quinta-feira, 12 de julho de 2012

o poema que escreveu em mim..

Por que o Grande Pablo Neruda estaria fazendo 108 anos, lembrei de um poema lindo dele e de uma tentativa de homenagem, que fiz apaixonada:

Terça-feira, Outubro 23, 2007


Era uma noite chuvosa e fria, imagino,
quando Pablo Neruda, escreveu o lindíssimo Poema nº 20:

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Escrever, por exemplo, a noite está estrelada e tiritam azuis os astros ao longe.
O vento da noite gira no céu e canta.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Eu a amei e às vezes ela também me amou,
em noites como esta eu a tive entre os meus braços,
beijei-a tantas vezes sob o céu infinito.
Ela me amava, às vezes eu também a amei.
Como não ter amado os seus grandes olhos fixos?

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.
Pensar que não a tenho, sentir que a perdi.
Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela.
E o verso cai na alma como no pasto o orvalho.

Que importa que o meu amor não pudesse guardá-la?
A noite está estrelada e ela não está comigo – isso é tudo.
Ao longe, alguém canta. Ao longe.

Minha alma não se contenta com tê-la perdido.
Como para aproximá-la, o meu olhar a procura,
meu coração a procura - e ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquear as mesmas árvores.

Nós os de então já não somos os mesmos.
Eu já não a amo, é verdade, mas quanto a amei.
Minha voz procurava o vento para tocar os seus ouvidos.
De outro. Será de outro. Como era antes, dos meus beijos.
Sua voz, seu corpo claro, seus olhos infinitos.

Já não a amo, é verdade. Mas, talvez a ame.
É tão curto o amor e é tão longo o esquecimento.

Porque em noites como esta eu a tive entre os meus braços.
E minha alma não se contenta com tê-la perdido.
Ainda que esta seja a última dor que ela me cause.
E sejam estes os últimos versos que lhe escrevo.



Era uma manhã linda, primavera ensolarada, quando eu quis fazer uma versão
iluminada, que posso chamar Poema 20 1/2 e que Neruda me perdoe:


Posso escrever os versos mais felizes esta manhã
Escrever, por exemplo:
 “O dia amanheceu cor de rosa,
Saudado pela música de pássaros ao longe”

A vida colore o céu e canta
Posso escrever os versos mais felizes nesta manhã.
Eu o quero, e ás vezes ele também me quer...
Em manhãs como esta eu estive em seus braços
E o beijei tantas vezes debaixo o céu infinito
Ele me ama, ás vezes eu também o amo.
Como não amar seus grandes olhos molhados e sua voz rouca

Posso escrever os versos mais felizes esta manhã
Pensar que mesmo não o tendo perto, o tenho, dentro
Ouço o dia nascer, e brilho imensamente por ele
O verso cai na alma como na relva o orvalho

Que importa que minhas mãos não possam tocá-lo
O dia está azul e ele está comigo
Isso é tudo, ao longe os pássaros cantam, Ao longe.

Minha alma se expande de tê-lo encontrado
Como para aproximá-lo meu poema lhe acaricia
Meu coração se aconchega, e ele está comigo.
A mesma manhã que faz lilases as mesmas árvores
Nós, os de então, já não somos os mesmos
(não estamos sós)

Eu o quero, é verdade, como nunca quis.
Minha voz procura o vento pra tocar o seu ouvido
De outra, espero não seja de outra, sempre pronto aos meus beijos
Sua voz, seu corpo quente. Seus olhos úmidos.

Eu o quero, é verdade, mas ás vezes não o quero.
É tão frágil o amor, e tão longa sua permanência

Porque em manhã como esta eu estive em seus braços,
Minha alma sabe que jamais irei perdê-lo.
Ainda que este seja o último amor que a vida me cause
Estes não serão os últimos versos que lhe escrevo.
..............

Meu amor, me deu girassóis de presente
e assim,me garantiu luz até abaixo de mau tempo,
por que tenho meu sol particular, sei que:

Acordar nessa manhã plena
E vê-la colorida
Devo ao poema
Que ele escreveu em mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores